• Image and video hosting by TinyPic

Call of Duty: Modern Warfare 3

Posted by Gui Silva On 12:39




Começo esta análise dando o aviso: Call of Duty não é um jogo feito para trazer uma revolução na indústria a cada ano e a cada lançamento. É um jogo de volume, feito para divertir e vender como água e, justamente por isso, precisa ser agradável de jogar e de se ver para uma audiência que começa na garotada de dez anos de idade. A vida de jogo mainstream é assim. A diferença é que Modern Warfare 3 consegue ser espetacular mesmo sendo feito para uma audiência tão genérica quanto os jogos que imitam o estilo criado pelo próprio CoD. Dito isso, não dá para esperar que Modern Warfare 3 não seja mais do mesmo. Ele vem para fechar a subfranquia iniciada em 2007 com Call of Duty 4. O bom é que ele tem tudo no lugar, incluindo aquele multiplayer que tem vida útil praticamente infinita.

A trama começa onde Modern Warfare 2 terminou. Para quem não jogou o game anterior, não faz diferença, porque tudo acontece tão rápido, com cutscenes tão curtas e tantas trocas de cenário e de personagens jogáveis que nem dá para prestar atenção direito. Tudo começa a ficar mais claro perto do fim - até lá, nem precisa de muita cutscene para o jogador perceber que as forças de Makarov já dominaram pontos estratégicos dos Estados Unidos lá no começo do jogo e que é a maior curtição jogar com Yuri, escudeiro de um dos informates dele. Trama por trama, prefiro a de Call of Duty: Black Ops (enchi a bola dele na análise ano passado), mas Modern Warfare 3 nos lembra que quando se trata de Infinity WardCall of Duty é ação frenética e ponto final. Cutscenes curtas, sem muita conversa, e tiroteio de sobra em corredores com liberdade limitada e a obrigação de ir sempre em frente.

Agora vamos falar de coisa boa: linearidade. Modern Warfare 3 é um jogo extremamente linear e que causa ira nos tuiteiros fãs de shooters das antigas, em que a graça era procurar o caminho certo, achar keycards e conversar com personagens não jogáveis. O que o primeiro Call of Duty fez foi criar um estilo próprio, copiado por obras-primas como Crysis (o segundo também entra nessa) e por aberrações como Homefront. Quem não gosta, tudo bem, porque até há algumas opções legais de shooters menos lineares por aí. O negócio é que reclamar que CoD é muito afunilado é a mesma coisa que reclamar que Contra II não tem visão isométrica. Dentro do estilo que criou e que se propõe a ser, Call of Duty continua muito bom e fica com sobras na frente de todos os concorrentes.

E um jogo não precisa ser revolucionário para ser bom. Para isto, aliás, basta ser... bom. E Modern Warfare 3 é excelente em todos os aspectos. Curtiu dar uns tiros nos outros CoD? Então vai curtir nesse também, e as únicas novidades, além da continuação da história, obviamente, são as belas sequências de tiroteio em Nova York, na Torre Eiffel e nas ruas de Praga. É mais do mesmo, mas é mais do mesmo, mas tudo feito com cuidado incomparável. Se jogo é para divertir, o novo Modern Warfare cumpriu o objetivo com sobras.



Impressiona a forma como a Infinity Ward e a Sledgehammer conseguiram manter um bom equilíbrio entre as sequências de ação frenética e outras onde é preciso ser furtivo - não que stealth seja a especialidade dos caras, mas eles mandaram muito bem para ajudar a quebrar um pouco aquele clima de correria total. Assim, o game simplesmente não fica cansativo. Quando o cenário começa a dar pinta de que vai ficar repetitivo, a missão acaba e eles te jogam em outro lugar completamente diferente e que geralmente começa com algo explodindo. Quando parece que você vai ficar cansado de ficar se escondendo e atirando, a torre Eiffel desaba bem ali na sua frente. Tudo a 60 quadros por segundo e sem queda - um verdadeiro tapa na cara do padrão atual de 30 quadros por segundo. A fluidez é demais, dá até para abrir um sorriso.

Na dificuldade regular, umas seis horas de jogo são suficientes para dar fim a Modern Warfare 3 - no Veteran, a coisa complica e você vai morrer muito (vai se sentir como um dos soldados inimigos, que morrem com uns três tiros), fazendo a campanha demorar talvez umas duas ou três horas a mais. Vale a pena tentar porque a campanha é gostosa de jogar. Depois, é partir para o modo Spec Ops, que volta com as tradicionais missões baseadas nos próprios cenários do jogo, além do Survival.

O Survival funciona como o modo Horda de Gears of War 3, em que o jogador enfrenta ondas de soldados e veículos. Conforme vai acabando com as ondas e juntando dinheiro, o jogador pode comprar armas melhores e até chamar as já manjadas ajudas de helicóptero e tal. A dificuldade começa a ficar meio absurda nas últimas fases (em algumas eu sofri para chegar na onda 10...), mas a diversão é garantida, principalmente no modo cooperativo, que funciona até em tela dividida. A jogabilidade e o esquema de compra de armas são tão bem montados e funcionam tão bem que não dá vontade de parar de jogar até destravar tudo. É legal chegar na onda 20, morrer e sair feliz porque pelo menos deu para juntar um XP a mais. E começar tudo de novo, claro.

De resto, o multiplayer normal, competitivo, que conta com o tradicional sistema de evolução por pontos de experiência, perks, novatos que ficam camperando e tudo mais que a gente já conhece dos outros Call of Duty. Quer dizer, quem não curtia, vai continuar não curtindo, tampouco vai se sentir atraído desta vez, porque novidade dentro do jogo mesmo, não há nenhuma perceptível. A novidade é o Call of Duty Elite, aplicativo que reúne as estatísticas do jogador e permite a criação de clãs e organização de partidas. Há uma opção gratuita, com menos funcionalidades, e uma completa, que custa US$ 49,99 e dá direito ao download de todos os DLCs durante um ano.

Mas nem precisava disso: do jeito que veio, Call of Duty: Modern Warfare 3 é espetacular. A campanha é divertida e não fica chata em momento algum, apesar da sensação de que todas as cenas cinematográficas ficaram na primeira metade do jogo, e toda as sequências de ação incessante ficaram na segunda metade. Como já virou tradição sair um Call of Duty por ano, quem gosta da franquia não precisa ter dúvida e ir atrás de Modern Warfare 3. É mais do mesmo, mas com qualidade bem acima da média.

Youtube eletrônica

Loading...